O dia 28 de agosto de 2014 tem seu lugar na história do futebol brasileiro. Corria o minuto 42 do segundo tempo no Estádio Olímpio, em Porto Alegre, e o Santos vencia o Grêmio por 2×0, quando o goleiro Aranha corre na direção do árbitro Wilton Pereira Sampaio reclamando das ofensas racistas que vinham da arquibancada. Entre os 30 mil torcedores gremistas, uma parte estava em pé e gritava “macaco”. A poucos dias de completar 6 anos desse episódio marcante do futebol brasileiro, o Brasil de Fato conversou com Aranha. Na entrevista ele fala sobre como foi aquele 28 de agosto e a sua decisão de denunciar o ato racista, que significou um encurtamento de sua carreira. Confira!