• Post author:

“O carnaval de rua é a radicalização da vida no espaço público por meio da cultura”, afirmou Guilherme Varella ao podcast Três Por Quatro, do Brasil de Fato. De acordo com o professor da Universidade Federal da Bahia e pesquisador do direito à cultura, o carnaval é um direito e uma liberdade, e, por isso, o Estado deve pensar uma política para ‘anormalidade’ e não para habitualidade.

Uma das maiores festas populares existentes, o carnaval brasileiro é um dos principais retratos do país para o mundo, e neste ano, a cidade de São Paulo completa dez anos da criação e regulamentação da lei que garante e assegura os blocos de rua. 

No ano de 2013, durante o mandato de Fernando Haddad (PT) em São Paulo, um movimento gerado através da união dos próprios blocos carnavalescos, levou à câmara dos deputados uma reivindicação intitulada como “Manifesto Carnavalista”, que além de expor a importância sociocultural das comemorações por toda a extensão do território nacional, também trazia à tona a forma com que os cortejos de rua tinham potencial de fomentar e destacar a cultura local e nacional, assim como aquecer a economia, mas precisavam de regulamentação, recursos e a elaboração de políticas públicas que viabilizassem e incentivassem as celebrações.

O especialista explica que, assim como em todos os âmbitos da sociedade, cabe ao poder público criar e sancionar leis e diretrizes que certifiquem o bem-estar da população nacional, e no carnaval não poderia ser diferente. “A garantia e a proteção às festividades carnavalescas, nada mais é do que a proteção e manutenção da liberdade no aspecto mais amplo da palavra”, aponta.

Segundo o especialista, o carnaval também é um conjunto de linguagens artísticas cujo exercício faz parte da proteção constitucional. “Ele é uma liberdade! Isso também é muito importante de falar porque quando a gente vai pular o carnaval e brincar, na verdade a gente está exercendo a nossa liberdade de expressão artística e cultural, que é garantida como direito fundamental no Artigo 5º inciso 9º.”

Ficha Técnica:
Apresentação: Nara Lacerda, Igor Carvalho
Comentários: José Genoíno
Direção: Camila Salmazio
Produção e Roteiro: Letycia Holanda
Trilha sonora original: Alejandra Luciani
Trabalhos técnicos: Adilson Oliveira
Coordenação de Rádio e TV: Monyse Ravena
Direção de jornalismo: Nina Fideles
Identidade visual: Michael Gonçalvez

Novos episódios do Três por Quatro são lançados toda sexta-feira pela manhã, discutindo os principais acontecimentos e a conjuntura política do país.