“Muito mais do que um movimento, o MST é um híbrido de uma instituição que ainda não existe, mas que ainda vai existir no futuro”, afirma o geógrafo Bernardo Mançano, autor do livro A formação do MST no Brasil, entre outros, e pesquisador da entidade desde o início.
Na primeira edição do ano, o podcast Três por Quatro, do Brasil de Fato, celebra os 40 anos do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), dedicando um episódio para discutir a história do movimento e a sua relevância para a geopolítica brasileira.
Fundado em 1984, o MST se tornou emblemático na história recente do Brasil, sendo protagonista de importantes conquistas na área da reforma agrária. “O MST é resultado dessa indignação do povo camponês e da vontade política de se organizarem, para resolver os seus problemas no interior”, explica o comentarista João Pedro Stédile, liderança do movimento.
Hoje, o grupo já está organizado em 24 estados brasileiros, com mais de 400 mil famílias assentadas e cerca de 70 mil acampadas. Mas, Stédile conta que a luta começou durante a redemocratização do país, entre 1970 e 1980. “O MST foi se constituindo pela eclosão de diversas ocupações de terra, por camponeses, ao longo de todo território.”
A princípio o movimento surge pela necessidade das famílias em extrema pobreza, “diante da crise capitalista que tinha diminuído emprego na cidade e diante das más notícias que chegaram dos que tinham ido colonizar a Amazônia”, lembra Stédile.
Ao podcast Três por Quatro, o geógrafo Bernardo Mançano destaca a importância do grupo para a democracia brasileira: “movimentos que lutam contra a desigualdade, que lutam pela terra, pela reforma agrária, pela educação, pela saúde, pela comida saudável. Esses movimentos só conseguem existir em um regime democrático”.
Na sua visão, hoje, a própria existência do MST é um indicador de democracia. “Muita gente acredita que a reforma agrária é uma política do passado, e na verdade a reforma agrária é uma política que nunca sai de pauta”, afirma Mançano.

Ficha Técnica:
Apresentação: Nara Lacerda, Igor Carvalho
Comentários: João Pedro Stédile e José Genoíno
Direção: Camila Salmazio
Produção e Roteiro: Letycia Holanda
Trilha sonora original: Alejandra Luciani
Trabalhos técnicos: Lua Gatinoni
Coordenação de Rádio e TV: Monyse Ravena
Direção de jornalismo: Nina Fideles
Identidade visual: Michael Gonçalvez


Novos episódios do Três por Quatro são lançados toda sexta-feira pela manhã, discutindo os principais acontecimentos e a conjuntura política do país.